segunda-feira, 20 de setembro de 2010

O Dia da Libertação

De um momento para o outro, a realidade deu-lhe aquilo que tanto esperou e suplicou, nos dias entediantes e nas noites angustiantes. Mas aquilo que mais queria pareceu-lhe subitamente vazio. Vazio de sentido. O espaço aberto e infinito da liberdade tinha trocado de lugar: a prisão, aflitiva e desesperante, tornou-se, numa parte qualquer do caminho, a vida cá fora. Lá dentro, na segurança torturadora da rotina, tinha criado um mundo próprio. Cá fora não tinha nada e era menos que nada. Aperceber-se de tudo isto em breves segundos foi um impacto violento que não contava.

Para não ficar prostrado no chão em terror, fez aquilo que sempre fez desde o primeiro dia na prisão: caminhou em frente, passo após passo, como se de cada movimento dependesse a sua sobrevivência. Quanto mais se afastava da fortaleza de betão, mais falta sentia da previsibilidade da violência das alas, do constante sadismo autoritário dos guardas, do repetido som agudo das grades de metal a fecharem-se e da interminável rotina do trabalho manual das oficinas. Os cem metros que fez, desde o estabelecimento prisional até à paragem de autocarro, pareceram-lhe quilómetros. Na verdade, cada passo teve, naquele momento, a importância de mil passos do primeiro homem na lua e apesar de não ter um grande valor para a humanidade, foram enormes espaços de calçada conquistados por um homem só.

Mas sentia-se tal e qual um astronauta numa lua longínqua, a uma distância infinita da terra. Estava parado a tentar recuperar o fôlego quando o autocarro parou abruptamente mesmo à sua frente, abriu a porta e esperou ansiosamente a sua entrada, como a ordem coerciva de um guarda impaciente.

8 comentários:

@Tomajeitorapaz disse...

escreve bem viu :O Me deparei com meio dicionário ai

Junior Suzuki disse...

Como disse o coloque de cima, encontrei muitas palavras que não são comuns em textos por ai. Mas, não só isso, a história e boa e a colocação das palavras também.

Rejane Ferreira disse...

Realmente vc escreve mto bem! O blog é legal, gostei de conhecer.

Abraços. =)

http://rejane-ferreira.blogspot.com/

Matheuslaville disse...

É o texto mostra o nível do conhecimento em escrita e palavras do autor.... Parabéns...

Guru do Metal disse...

gostei do texto e a palavra autocarro é usada no português de portugal

http://rocknrollpost.blogspot.com/

Anónimo disse...

Cara bem bacana o texto...meio acido mais bem bacana..XD!

http://eitapreulacampina.blogspot.com/

Ana Paula disse...

texto muito interessante e penso que relata bem a realidade do sistema pós-prisional!!!

www.aninhainsanosescritos.blogspot.com

www.meuirmaomeuamigo.blogspot.com

Cármen Neves disse...

Texto profundo e bem escrito!Parabéns!