quarta-feira, 20 de julho de 2011

Encruzilhada

Ela tem 23 anos, acabou o curso há pouco tempo e casou ainda há menos. Ainda não sabe o que quer da vida, nem o que a vida espera de si. Já experimentou fazer várias coisas, desde escritora a modelo, mas nenhuma delas era o que estava certo. Por isso vai passando o tempo em empregos menores e odeia cada segundo. O casamento não anda bem e para piorar toda a gente lhe diz que ainda devia estar em lua-de-mel, que é muito pouco tempo, que a vida irá mostrar-lhe dificuldades cada vez maiores. Mas ela tem medo que de passar o resto da vida como nos últimos tempos. O cansaço está a ser difícil e neste momento só pergunta se aguentará até ao fim do ano.

Ele tem 51 anos e tem todos os sintomas da habitual crise de identidade que contamina os homens nesta idade. Tem uma vida estável, é a pedra basilar duma família feliz, mas sente-se profundamente deprimido. Há algo que falta, quer algo de novo, reinventar a vida, voltar a sentir-se jovem. Está casado há vinte e cinco anos e este tem sido o ano mais difícil. O início foi divertido, riam-se muito e ficavam a conversar sobre tudo até às tantas da madrugada. Um dia deixou de ser divertido e o que ficou foi somente uma asfixiante rotina. Profissionalmente muito bem sucedido, no topo da carreira, sente agora que tudo estagnou e nem o trabalho o alegra mais.

Quando ela chegou ao bar, ele já estava sentado a beber o segundo copo de whisky. O que aconteceu de seguida foi forte e rápido, como se um raio tivesse vindo do céu e os atingisse aos dois em simultâneo. Olharam um para o outro, recuaram ao tempo em que eram crianças de escola e descobriam o amor pela primeira vez, os corações bateram incessantemente. Algo mudou em décimas de segundo. Mas ela abriu bem os olhos, cruzou as mãos, fixou-se na aliança e recomeçou a pensar em como a sua vida era um beco sem saída. Ele respirou fundo, bebeu um gole do copo e reflectiu que deveria ir ao cardiologista por causa daqueles malditos ataques de taquicardia.

10 comentários:

Arcano 13 disse...

caramba!
é assim q se perde as grandes oportunidades da vida
belo conto/crônica mto bem escrito

flws
abçs

Guilherme Santos disse...

legal o texto
parabens

douglasfert disse...

Texto muito...muito bom.

MUitas vezes assistimos a vida pasar, ao invés de vive-la.

30 e poucos anos. disse...

São as oportunidades que a vida nos mostra e não vemos....portas que não abrimos.

Ellen Regina - facetasdemim disse...

ahauahauhauahauhau
A-D-O-R-E-I!!!!
SIMPLESMENTE FANTÁSTICO!
PARABÉNS!!!

† 있FєяηαηÐσ있 † †.яσรσ..Ðäη¡η.† disse...

Muito legal =(

Mr. e Mrs. Ironia disse...

Ironia do destino: oportunidades certas, momentos errados.

looking4good disse...

Muito interessante e quem começa a ler ... acaba no fim! Ai esta juventude: ter 23 anos, ter acabado o curso, já casada e não saber o que quer da vida? Quanto ao homem de 51 anos... está a falar de mim? Vim aqui ter por causa de uma visita sua ao meu blog e pela amostra prometo cá voltar. Uma boa semana.

Guga disse...

Parabéns pelo blog. Os seus textos são fabulosos.
O Fogo de Letras passou a estar nas minhas referências.
Obrigado pela passagem e pelas palavras que deixou no Made in Mundo.

Danilo Cruz disse...

Legal o texto, lembrei de um negócio aqui